Espaço Branco
Sê bem-vindo ao Espaço Branco, regista-te para obteres algumas permissões, como criar ou responder a tópicos. O nosso fórum é sobre tudo desde juventude até tecnologia, o nosso objectivo é criar uma grande comunidade de amigos, por isso diverte-te!

Cumprimentos,
©️ Espaço Branco™️
Últimos assuntos
» yo \o/
Qua Dez 01, 2010 3:21 pm por Cavalera

» Λιλιανα, photo galerie. act. 05/09/2010
Dom Nov 21, 2010 2:54 am por Λιλιανα

» Americana chama-se Boo! em homenagem ao Halloween
Sex Nov 05, 2010 11:05 am por LucasMarley

» Ministra francesa manda retocar foto
Sex Nov 05, 2010 11:02 am por LucasMarley

» Polvo-adivinho já tem sucessor
Sex Nov 05, 2010 10:58 am por LucasMarley

» Luta entre ‘Homem-Aranha’ e ‘Capitão América’ acaba na prisão
Sex Nov 05, 2010 10:55 am por LucasMarley

» Casal de 60 anos apanhado a fazer sexo junto ao hospital
Sex Nov 05, 2010 10:53 am por LucasMarley

» EUA: Lady Gaga inspira disciplina universitária
Seg Nov 01, 2010 12:34 pm por LucasMarley

» Dilma faz história
Seg Nov 01, 2010 12:31 pm por LucasMarley

» Informação aos membros.
Seg Nov 01, 2010 12:29 pm por LucasMarley

» Espaço do spam.
Sab Out 30, 2010 9:28 pm por Cavalera

» Notas dos testes
Sex Out 29, 2010 11:37 pm por LucasMarley

Estatísticas
Temos 27 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de valentine

Os nossos membros postaram um total de 3574 mensagens em 503 assuntos
Parcerias
O nosso banner: 120x60

86x40


Ashtiani. Apedrejamento foi suspenso mas decisão "é final"

Ir em baixo

Ashtiani. Apedrejamento foi suspenso mas decisão "é final"

Mensagem por Λιλιανα em Sex Set 10, 2010 5:03 pm

Filho de iraniana condenada por adultério teme que a mãe seja morta logo que termine o Ramadão.



Multiplicam-se os movimentos pela libertação da iraniana condenada à morte.

Teerão decidiu prolongar a suspensão da sentença de Sakineh Ashtiani, disse ontem o porta- -voz do ministro dos Negócios Estrangeiros, Ramin Mehmanparast, para revisão da condenação. No entanto, a comissão dos direitos humanos iraniana - tutelada pelo chefe da autoridade judiciária - garante que a decisão de execução é "final".

Ashtiani foi condenada, em 2006, a dez anos de prisão por adultério. Dois anos mais tarde, as autoridades iranianas declararam o seu envolvimento no homicídio do marido e reviram a sua sentença, condenando-a à morte por apedrejamento.

O veredicto foi suspenso devido ao início do Ramadão - que começou na segunda semana de Agosto -, mas o filho de Ashtiani, Sajjad, teme que a execução aconteça logo que termine o mês sagrado islâmico, a 10 de Setembro. "Estão a tentar transmitir a imagem de uma mulher imoral, que esteve envolvida num acto hediondo, para tornar mais fácil a sua execução", junta um dos advogados de Ashtiani, Houtan Kian, citado pelo "The Times".

"Isto é um assunto nosso; trata-se da punição de uma criminosa e não de um assunto de direitos humanos", comentou Ramin Mehmanparast, confrontado com toda a pressão internacional para libertar Ashtiani. O porta-voz dos Negócios Estrangeiros iraniano justifica que o Ocidente não é "sensível aos valores familiares", e desafia: "Se libertar homicidas é defender os direitos humanos, então os países europeus que libertem os seus condenados."

Mehmanparast acusa ainda o Ocidente de tentar explorar o caso, de o politizar e transformar em instrumento de pressão na questão nuclear. "O nosso país está sob grande pressão política dos EUA e de alguns outros países do Ocidente. O caso Ashtiani é um cenário escrito pelo Ocidente para pressionar o Irão na questão nuclear."

A Coreia do Sul juntou-se ontem na ronda de sanções contra o controverso programa nuclear iraniano, com Seul a anunciar "pesadas penalizações" contra o banco iraniano Mellat e mais 102 entidades iranianas no país.

99 chicotadas Segunda-feira, numa conferência de imprensa por telefone em Paris, o filho de Ashtiani disse ter ouvido a mãe a receber as 99 chicotadas a que foi condenada a semana passada, depois de o "The Times" ter publicado, a 28 de Agosto, uma fotografia de uma mulher identificada como Ashtiani sem o hijab - lenço sagrado islâmico. O jornal admitiu ter-se enganado e anunciou que, na verdade, a mulher na foto era Susan Hejrat, uma activista política a morar na Suécia.

Mehmanparast, citado pela Press TV, nega que Ashtiani tenha sido castigada pela foto. E Vahid Kazemzadeh, um responsável da organização dos direitos humanos iraniana, anunciou à agência FARS que esteve ontem com Ashtiani na prisão de Tabriz e que a mesma negou quaisquer maus-tratos ou tortura.

O caso de Ashtiani agita as águas num sistema em que o Código Civil não dá direitos às mulheres. Os maridos são escolhidos pela família e normalmente o divórcio não é opção, o que conduz muitas vezes ao suicídio ou ao adultério. Um estudo da Universidade de Teerão diz que 58% das mortes de mulheres são suicídios.

Fonte: ionline
avatar
Λιλιανα
Ajudante
Ajudante

Mensagens : 305
Pontinhos : 6161
Espaços branquinhos : 0
Data de inscrição : 01/09/2010
Idade : 96
Localização : Viana do Castelo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum